Tudo em excesso faz mal. Você já deve ter escutado essa frase. Com o medo e a insegurança isso também se encaixa. Quando o medo de uma maneira dosada, até pode te impedir de se machucar, por exemplo. Sem medo correríamos em alta velocidade com o carro, nadaríamos em um lago cheio de crocodilos, arriscaríamos muito mais vezes de maneira inconsequente.

Precisamos do medo na medida exata para vivermos com uma certa segurança. Uma proteção que é necessária. Por outro lado, quando o medo ultrapassa essa medida, ele é como uma injeção de paralisia. Uma barreira que impossibilita a viver uma vida com confiança.

O medo e a insegurança podem afetar em várias áreas, desde a financeira até a familiar, também no trabalho e no relacionamento amoroso. E não necessariamente o medo e a insegurança podem ser vividos em todos esses âmbitos, eles pode afetar apenas uma área.

Porém temos o poder de mudar esse cenário. A barreira do medo e da insegurança podem ser quebradas. São passos pequenos, mas que chegam em uma satisfação plena e admirável.

O primeiro passo é se conhecer. Saber um pouco em qual situação o medo e a insegurança vem à tona. Diante de qual situação me sinto mais inseguro? É no trabalho, quando não dou opinião por medo de ser demitido? Ou é em casa, quando digo sim sempre para não magoar alguém?

Pequenos passos são muito significativos. É trabalhar um mecanismo para conseguir dar passos maiores lá na frente. E que tal se inspirar? O segundo passo pode ser dado com o “empurrãozinho” de alguém. Caso se sinta inseguro em cada entrevista de emprego, dá para buscar vídeos de pessoas que se dão muito bem e utilizar isso como exemplo. Estudar um novo jeito de lidar com a situação.

O terceiro passo é levantar a autoestima. Quando se é inseguro, as fraquezas viram um bicho papão. O sentimento de insegurança faz com que a pessoa se ache inferior, incapaz de realizar aquilo que gostaria muito. Então, de pouquinho em pouquinho, treine o inconsciente a ser positivo, a afirmar que há coragem, que há força, que há poder para buscar aquilo que se quer.

O quarto passo é exterminar aquilo que já foi, mas antes de exterminar, reveja quantas barreiras ficaram lá porque a insegurança não deixou que houvesse a escalada. Saber o que ficou para trás sem culpa e aprender que pode ser diferente dali para frente.
Ser menos inseguro é trabalhoso. É como escalar mesmo essa barreira. Não é fácil, mas quando se chega do outro lado, cada barreira de insegurança passa a ser apenas uma barreira e não um obstáculo impossível de se cumprir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *